O golpe do boleto falso vem se tornando cada vez mais comum no Brasil.

De janeiro a setembro de 2019 foram 4.417 queixas do tipo no site Reclame Aqui, um aumento de 42% em relação ao mesmo período do ano passado — nessa época do ano, o volume de reclamações acumulado era de 3.106. A prática envolve a falsificação de cobranças para fazer com que o pagamento vá para a conta bancária do golpista. São vários truques para atrair a vítima, que vão desde a manipulação do código de barras do documento até a criação de páginas falsas que oferecem o download da fatura forjada. Veja, a seguir, sete dicas para não ser enganado na hora do pagamento.

Atualmente, uma das formas de pagamento mais utilizada pelas pessoas é o boleto bancário. Por ser prático e de fácil acesso, muitos optam por pagar contas dessa maneira. Mas o que parece ser simples e seguro, pode tornar-se um problema.

O golpe da cobrança com boleto falso, que é muito comum na internet, agora ficou mais sofisticado e perigoso, os bandidos estão montando um call center, conseguindo informações de contratos de bancos e financeiras e ligando ou enviando mensagens via WhatsApp para os devedores, propondo um valor muito a abaixo do débito, que claro, sempre é aceito pelos devedores.

Após a negociação com os estelionatários, eles constroem um boleto adulterado, com os dados bancários, código de barras do banco ou da financeira, em que o valor pago não é direcionado para o credor, mas sim para um destinatário desconhecido. Esse tipo de fraude acontece principalmente por meio da emissão de boletos por vias em sites, e-mail e WhatsApp.

Após realizar o pagamento, o consumidor devedor, após algum tempo sendo cobrado pelos bancos e financeiras, através de escritórios de advocacia ou empresas de cobranças, agora dos verdadeiros contratados para fazerem as cobranças, referente ao boleto que já teria sido pago, e então percebe que foi vítima de um golpe.

Não é incomum encontrar alguém que já tenha passado por isso ou que quase caiu na armadilha. Segundo o Reclame Aqui, o número de queixas desse tipo aumentou 63,6% neste ano.

Saiba como se proteger na hora de pagar suas contas em débito

1- Cheque os dados do boleto

Boletos falsos trazem algumas características que podem ser facilmente checadas pelo usuário. Veja se os dígitos finais representam o valor do boleto, também verifique ainda se os primeiros dígitos do código de pagamento coincidem com o código do banco que aparece como sendo o emissor do boleto, do Banco do Brasil sempre começará com 001, do Bradesco com 237, do Santander com 033.

2. Verifique a origem com o banco e financeira

Se o boleto é emitido por uma loja, pesquise a reputação da empresa no Reclame Aqui para se certificar de que ela de fato existe, pelo CNPJ no boleto e cheque se ele é real por meio de uma consulta no aplicativo da Receita para smartphone.

Plataformas como Mercado Pago, PagSeguro e demais meios digitais oferecem mais segurança quando atuam como intermediárias e podem ser acionadas se algo der errado na transação.

3. Prefira a leitura automática do código de barras

Em qualquer boleto, prefira sempre ler o código de barras pela câmera do celular ou no caixa eletrônico. Em geral, boletos com linha digitável adulterada não trazem código de barras compatível e precisam forçar a vítima a digitar a sequência manualmente para completar o golpe. Um documento com barras ilegíveis, portanto, tem maiores chances de ser fraudulento.

4. Baixe o boleto no site do credor

Sempre que possível, é importante baixar boletos diretamente no site do banco ou da empresa que está fazendo a cobrança.

5. Certifique-se de que o site é seguro e evite Wi-Fi público

Ao fazer download do boleto no site do credor, e evite também se conectar em redes públicas, que são mais suscetíveis a ataques no roteador capazes de falsificar páginas visitadas.

 O que fazer se cair no golpe?

1 – Quando for cobrado  por um escritório jurídico ou empresa de cobranças, certifique perante o credor ou peça algum documento que a empresa está autorizada a cobrar o débito, pois é na cobrança que começa a fraude do boleto falso.

Nenhum credor, faz redução de pagamento de 80% do débito, com ocorrer na negociações fraudulentas, este é o atrativo para o devedor pagar qualquer tipo de boleto.

A MORAIS ADVOGADOS orienta o cliente que sofreu um golpe pagando um boleto falso, sempre procurar primeiramente, a empresa prestadora do serviço ou o banco envolvido na fraude,  para tentar obter a quitação do débito pago como o boleto falso.  Mesmo tendo acertar a quitação do boleto com a credora, deverá procurar fazer um boletim de ocorrência, juntando todos os documentos que dispor, com imprimir as conservas pelo whatsApp, boleto fraudado, os contatos realizados, para que a Polícia investigue e possa prender os estelionatários ou pelo menos coibir novas fraudes contra outros consumidores.

Dependendo do tipo de fraude as empresas, não terão responsabilidade de reembolsar o consumidor, com base nos julgados atuais.

O golpe do boleto falso vem se tornando cada vez mais comum no Brasil.

De janeiro a setembro de 2019 foram 4.417 queixas do tipo no site Reclame Aqui, um aumento de 42% em relação ao mesmo período do ano passado — nessa época do ano, o volume de reclamações acumulado era de 3.106. A prática envolve a falsificação de cobranças para fazer com que o pagamento vá para a conta bancária do golpista. São vários truques para atrair a vítima, que vão desde a manipulação do código de barras do documento até a criação de páginas falsas que oferecem o download da fatura forjada. Veja, a seguir, sete dicas para não ser enganado na hora do pagamento.

2020-11-06T10:32:36-02:00
Open chat
Tire suas dúvidas!